quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

EU NÃO ME PAREÇO COM NINGUÉM


       Assim que ouvi esta frase, minha cabeça começo a gerar idéias: a primeira foi concordar com a afimação, somos ún

icos! Temos individualidades, nuances, formas, cores e pensamentos totalmente originais, mas ao mesmo tempo também passamos a vida a procura de iguais, tarefa que considero impossível de ser realizada, mas tentar é bem válido, pois quando estamos cercados de pessoas que tem pelo menos um ponto em comum nos sentimos mais confortáveis, mais acolhidos.
       Depois essa coisa de parecer fisicamente com outra pessoa, xiiii isso é meio chato pra todas as pessoas, pois tem comparação tão fora do esquadro que ficamos envergonhados de negar, é meio assim: Olha fulano, o outro fulano é a tua cara! Trazem fotos, recortes de jonais, mostram em celulares, sei que tem gente que gosta de parecer com outras pessoas, como as famosas, mas ser sósia é o que mesmo? É viver sendo uma sombra ou um reflexo de outro, neste momento pergunto: Quem é você? Você é você? Ou é o outro? Acho que sim,  quer ser o outro e não é, nem nunca será, será um coitadinho, passara a vida querendo ser cigarra e não sai da forma de formiga.
         Tem outra forma de semelhança, é parecer com o outro no mundo das idéias, você pensa igual a ele(a). O que gera aquele pensamento de “Maria vai com as outras”, gosto de ter o meu espaço, esse negocio de seguir a maioria me dar arrepios, calafrios de tremer o corpo todo, fico olhando as outras pessoas que concordam com tudo, tipo calangos que ficam só balançando a cabeça e concordando com tudo, são iguais a cordeirinhos mansinhos e dominados, sou mais o tipo cabra, e na região do Brasil que vivo, me considero é uma “cabra da peste”! Bem teimosinha, afinal essa já foi uma das coisas que me rotularam desde criança já que  me chamaram a vida toda de teimosa, então eu vesti a carapuça, o sapato, o chapéu, o vestido longo e agora chego logo afirmando aos quatro ventos: Sou teimosa e daí? Fazer o que? Me deram a dica eu agora sigo o rumo.

       Não consigo achar as pessoas iguais as outras, às vezes consigo até ver unas poucas semelhanças, vejo pontos em comum e pontos de apoio, onde uma começa a frase e outro termina, vejo cabelos diferentes com cores e modelagem diferentes, formas de rostos distintas, formas de mão únicas, de pés, desenhos de siluetas tão singulares, mas fico parada em lugares públicos e cada vez que observo chego a ficar mais surpresa como as pessoas são diferentes. Chegamos ao ponto de procurarmos algo em comum com outro para nos sentirmos deste planeta.

domingo, 27 de setembro de 2015

Apego ao passado.

           

 Quem não tem apego ao passado? Memórias, lembranças, objetos e nos remetem a um passado todo florido que não volta mais, porém se olharmos bem de perto não foi tão bom assim, é que a mente humana tem o poder de filtrar fatos e deixar o que foi bom e lançando fora o que não foi tão bom assim, Justificando a afirmação anterior, com afirmativas: "era tão bom o tempo de criança!" quando não tinha preocupação com as contas, mas  pessoalzinho quando tu era criança tu só queria ser grande para fazer as coisas de gente grande, sair sem dar satisfação, comer o que quisesse e não o que a mãe mandava, ter uma vida  independente, mas mau sabia tu que quando crescemos as responsabilidades crescem junto.
              Outra lembrança florida:  bom era o tempo de escola, era bom? Tinha amigos, namorados, professores, tudo lindo e maravilhoso, aprendia grande lições de vida e todo o resto era brincadeira, nada disso, era bullying direto, quando tu não era a vítima era o causador, e a escola era chata, aulas, filas, provas, queríamos mesmo era fugir, só para ficar conversando na esquina, jogar games com os amigos, namorar, das voltas no centro da cidade, este era o meu caso, hoje iria ao shopping, nem que fosse só para um sorvete e ver vitrines.
             Vamos nos apegar a coisas: objetos que guardamos não só para boas lembranças mas para um tortura pessoal, guardar roupas que nunca mais usaremos para lembrar de algo que não se repetirá, o casamento, a formatura, a nossa infância, a nossa magreza, nosso tempo de obesa, de solteira, de casada, de bailarina, de jogadora de um esporte qualquer, blá, blá, blá, alô! Tem fotos digitais para se evitar tanto entulho e mofo no mundo.
               Guardar objeto com significado especial, deve ser policiado e determinar o número desses tesouros, pois se não acordaremos um dia cobertos por coisas que apenas nos impedem de ver que a vida continua que o mudo gira, guarda rolhas de vinhos degustados, flores desidratadas, cartas, revistas, jornais, moedas, papeis, caixas cheias de se lá o que, tudo é importante, mas com o tempo o novo sempre vem e se ficamos apegados ao passado, deixamos de viver o hoje e de sonhar com o amanhã e pra mim que deve gira sob o seu eixo é o pião e não nós.

Ser mãe.

        Fico abismada com este ser super humano denominado de mãe, sempre me refiro as de verdade, as mães que sempre conseguem ter tudo no lugar e sob o controle, mas nunca estão satisfeitas consigo mesmas, achando que  podem fazer algo a mais pelo filhos, é aquele amor incondicional e falando nele, neste amor incondicional que muitas afirmam:  "só sabe o que é amor verdadeiro quem é mãe!" Afirmação que discordo de dentro das minhas entranhas.
     Veio a mim uma cobrança que recebo desde a menor idade que me recordo, desde criança, todas, sim todas as meninas, são treinadas, preparadas, intimadas para ser mães! E pronto, caso queiram ou não, caso possam ou não, todas as mulheres devem ser mães, pelo menos esta é nítida impressão que tive por anos. Mas o tempo passa e voa e como os parâmetros mudam, os conceitos de sociedade evoluem, podemos dizer que para as mulheres de hoje ser mãe é uma das opções que todas  podem escolher ,se querem ou não, no meu caso é não. Por muito momentos da vida brinquei de casinha, imaginei como seria o futuro com casa, marido, filhos, mas isso foi uma programação, uma lavagem cerebral, a qual já me libertei, é agora uma mulher pode ser feliz realizada com família e optar por não ser mãe, mas aqui na minha região ainda incomoda, não choca as pessoas, apenas incomoda, mesmo sem expressar uma palavra, sem se quer falar, lemos os olhares que são de repreensão, aquele olhar de questionamento: Como você tão cheia de vida não quer ser mãe?! Conheço demais este olhar, mas ele não me incomoda mais.
       assistindo tv vi uma afirmação de uma atriz famosa no Brasil que era assim "nunca tive competência para ser mãe ", gostei dela, por pesquisando ví que competência significa: o conjunto de habilidades, conhecimentos para agirr em uma determinada situação, e pensando bem nem todo mundo tem competência para ser mãe, vemos umas que jogam o filho no lixo, outras maltratam, outras dão tudo menos amor e por aí vai.
         E o que fica na minha mente é que seria muito bom se só pudessem ser mãe, as mulheres que tivessem competência  para tal função, compromisso, pois esta profissão vitalícia e voluntária, diurna e noturna, merece muito mais que um dia no ano de atenção quando nós dá vontade, nós filhos, deveríamos ser eternamente, minuto a minuto, segundo a segundo eternos cuidadores de nosso mães, pois isso sim é a representação do amor incondicional e verdadeiro e não da ingratidão tão presente nos dias de hoje!

Pessoas bonitas

Tema que me coçou o juízo, é a vida é mais fácil para as pessoas bonitas, não para as bonitinhas, tem que ser bonita mesmo, fico observando como tem privilégios as pessoas com atributos de beleza, primeiro na infância, aquele bebê que todo mundo olha e diz oh! E depois que crescem chegam os mimos do nada e para os menos favorecidos sobra a apenas utilizarem de outros atributos como a esperteza, a inteligência, e muitos outros talentos, é engraçado como as pessoas podem ser cruéis, dizem assim:
       - Fulaninho é lindo mas o outro fulaninho também é legal! Legal? quem quer ser a pessoa legal do lado do bonito, do lindão ou lindona, queremos ser o máximo também.
        Os bonitos ficam na frente em filas, desfiles, apresentações, fotos e quando crescem são escolhidos primeiro em empregos, pela aparência e quando se envolvem com os menos favorecidos de beleza ainda são jugados: Como pode fulano tão bonita (o)? Namorando, casado se relacionando com o outro feio pra caramba.
Pois bem eu não endosso este coro, claro que não sou hipócrita de afirmar que não gosto de pessoas bonitas, mas nada de dar vida mole para qualquer sorriso e rostinho perfeito e corpo esculpido a mão por Michelangelo, vou botar a prova se a beleza vale a pena, se tem conteúdo, se sabe, se é capaz, tem que provar, pois tento ver além da casca e deixo minha contemplação do belo para o Louvre e outro museus que puder visitar.
        Agora me redimindo amo pessoas! Sejam bonitas ou não, o que cansa mesmo é o endeusamento das pessoas bonitas e desprezo pelas menos providas de beleza, mas se formos conceituar beleza, encontraremos um conceito diferente para cada povo, cultura e pessoa, pois num mundo formado por seres humanos tão diferentes o que é bonito pra mim pode não ser bonito para você.

terça-feira, 31 de março de 2015

Barriga

Uma conversa sobre barriga ou seria uma homenagem  a barriga.
Parei para pensar e observei o quanto a barriga, a famosa barriguinha tem um poder imenso e muitos significados, é a barriga tem poder sim, o poder de aproximar e afastar as pessoas, de definir carater e estilo de vida.
Primeiro exemplo que chama a atenção de todos é um abdomem, nome chic da barriga, definido, torneado, onde vemos músculos, a chamada barriga tanquinho, cheia de curvas bem definidas é vista como um sinal de beleza e cuidado que seu dono tem com a sua saúde, e que ele deve praticar esportes, academias, comer tudo saudável e com certeza evitar os excessos, e o exemplo o contrário também é verdadeiro, quem tem a barriguinha saliente, bem redondinha, aquela que acusa logo que o seu dono aprecia uma cervejinha gelada com todos os acompanhamentos devidos ou pode apreciar apenas os acompanhamentos e que nem passa na calçada de uma academia para não ter remorso de não ir, gosta é e papear e é cheio de sabedoria de almanaque.


Continuando a falar do poder da barriga, quando ela é uma atrativo do sexo oposto, sim pois desde os antigos egípcios que eram seduzidos pela dança do ventre, sim os movimentos vigorosos feitos pela a parte mais sex do corpo, esqueçam bundas e peitos, lá quem tinha valor era a barriguinha, e até hoje ainda tem,  e em uma praia ela aparece no centro de tudo, e nos dá margem para tomarmos satisfação da vida dos outros, essa é sarada, essa é cheinha, essa é uma bolinha, essa vai a academia, essa se cuida e essa só relaxa.
E na hora de dançar, seja juntinho ou separado tem que ter molejo, e mesmo sendo parte do conjunto  a barriga tem sua importância, como no caimento do figuro da dança, como um realce aos movimentos e  lembrando sempre, ela esta no centro de tudo.
Agora devo citar a barriga como poder, status, e privilégios imagina essa situação:
quando uma mulher diz estar grávida, para onde olhamos? Lógico para a barriga, aí não paramos de dar a futura mamãe os privilégios devidos e muitos mais à medida que a barriga vai crescendo, e calma os homens também tem privilégio graças a uma grande barriga, como o Rei Momo, que sem uma grande barriga nunca receberia a atenção e nem coroa alguma e nem seria privilegiado com festas e rainhas com barrigas tanquinhos é claro, embora considero isso uma descriminação pois os homens podem ter barrigas em forma de bolas e as mulheres tem que ralar na academia para manter a forma, isso é injusto e fica aqui o meu protesto!

E voltando no tempo tem coisa mais linda do que os bebês com suas barriguinhas fofas! Quem não quer cheirar e beijar uma coisinha tão fofa? Aí vamos crescendo e vemos o quando a diferença da barriga dos meninos e meninas, onde a nossa meninas vai ficando bem desenhada, em forma de pilão a dos meninos crescem retas, olha aí mais um atributo para a barriga, diferenciar gêneros humanos, nem que seja só por um determinado tempo, pois hoje a moda das academias estão deixando os abdomens iguais, fica até sem graça, mas ainda temos tempo de tornar a barriga romântica e muito sex, pois vinha pensando em sua importância, em seus segredos,  neste contexto coloquei-me no ambiente de trabalho onde  ela é protegida, guardada a sete chaves, afinal você já viu a barriga do seu chefe? Onde? Quando? Em que circunstâncias? E do colega de trabalho? Tem que ser intimo ou encontrar por acaso na praia e olha  lá se estiver exposta, e na eram dos selfs, fotos de barriga de fora quem posta? Quem malha muito ou não tá nem aí mesmo, então vemos aqui mais um traço de personalidade inserido no contexto da barriga que é: ser tímido ou recatado, exibicionista ou não, narcisista ou não, ficam aqui muitas indagações e devaneios sobre a barriga poderia eu escrever um tratado de tordesilhas sobre este assunto mas olhando para a minha barriguinha que amo muito e me orgulho, vou deixar aos amigos leitores uma perguntinha: sua barriga pode revelar algo sobre você?

terça-feira, 9 de dezembro de 2014

Uma amiga ruiva.

       Interessante é que o Brasil é uma país de mistura de raças, o índio, o negro e o europeu formaram um belo mosaico de formas, cores tipos de pessoas com cabelos, estaturas, sotaques com muita diversidade.
        Somos um povo colorido, alegre e temos todos os tipos de pessoas no nosso país, mas o que me chama a atenção são as pessoas ruivas, declaro aqui que graças as colorações artificiais pertenci a este grupo de pessoas, sim, fui ruiva!! Por opção, o que requereu muita atitude, ser ruiva é o máximo, você vira até ponto de referencia, ouvi o rapaz dizer ao telefone; " estou ao lado da moça ruiva!", pessoas desconhecidas param para elogiar seu cabelo,  mas a base coloração artificial dá muito trabalho, então depois de quatro anos ruivíssima voltei a ser morena, mas nunca deixei de ter um encanto pelos fios de cabelos ruivos, vermelhinhos, pois são pessoas que brilham como fogo quando estão ao Sol.
            Faz pouco tempo que conheci uma menina ruiva, chamo qualquer mulher de menina, definindo menina no meu vocabulário é uma mulher dos vinte aos sessenta anos, voltando esta menina que conheci na aula de dança, pele branca, olhos bem vivos, cabelos ruivos, chama-se Lisy. Logo fiquei atenta a ela, pois seus cabelos são ruivos naturais, notei que ela é muito sábia e com muitas intervenções esclarecedoras que podem até assustar os distraídos, pois no mundo atual falar de forma clara e objetiva caiu em desuso, além disso a minha amiga debate muito bem , opinando sobre assuntos diversos e o melhor de tudo é muito sincera, sem ser grosseira, outra qualidade rara hoje, e tão eloquente que é, que quando desconhece o assunto informa a todos que não pode dar opinião por ser leiga neste .
       Fico pensando, será que ela, ruiva sabe que todas as atitudes e opiniões dela são realçadas pelo brilhos dos seus fios de fogo, pelos seus cabelos ruivos ou isso passa desapercebido, será que desde criança já utilizava a força dos seus cabelos de fogo para encantar a todos. Eu só sei é que quero deixar claro é que admiro as pessoas ruivas e Lyse só veio agregar mais e ainda mais qualidades aos ruivos brasileiros e depois de ter uma amiga ruivíssima, ruivassa, super ruiva, espero aprender muito com ela.

sexta-feira, 7 de novembro de 2014

A verdade dos pais.



        Nascemos e nosso primeiro contato com o mundo acontece através de nossos pais, guardiões supremos de nós, bebês indefesos recém chegados ao mundo cruel. Assim segue a vida o seu rumo natural, somos alimentados, cuidados, acalentados, cheios de mimos uns mais outros menos, quando estamos doentes damos preocupação, depois ficamos curados e subimos em árvores, podendo até cair delas, pulamos, rodamos e como criança gosta de rodar, dançamos, vamos a escola, sofremos,  e como criança sofre, nunca tem razão, pois somos afoitos, devemos então desde cedo ouvir e obedecer a sabedoria suprema e inquestionável dos pais, pois são eles os pioneiros, os que nos precederam, os que sabem tudo, nos ensinam o sim e não, o certo e o errado, e como sou do tempo que bastava um olhar do pai ou da mãe para sabermos que aquilo não era coisa de criança, saímos do ambiente em um silêncio sagrado ou ficava logo calada sem esboçar qualquer opinião, nem um piu!
              Os pais de verdade, assim chamo  aqueles que dedicam suas vidas ou boa parte dela a criar os filhos com tudo de bom e de melhor que podem oferta aos seus amados filhos, coisa que hoje é  rara, pois vejo cada disparate, hoje quero até questionar se evoluímos ou regredimos no quesito criar os filhos. Voltando no tempo, porém como fui criada no modelo antigo, vou direto ao assunto, a verdade dos pais, sim, para mim até um dia desses tudo que pai e mãe falavam era verdade absoluta, só não era lei porque eles não são juristas, só não esta em um livro sagrado pois eles não são sacerdotes, mas as palavras dos meus pais era muito mais séria e que lei, mais verdadeira que a verdade, inquestionável!!!
                  Difícil é, descobrir que seus pais mentem, simples, bem simples, são humanos e metem, isso me deixou chocada, neguei até onde pude, sim, fiz rodas e rodas de conversas com amigas muito mais sábias, por terem vivido mais que eu, e confiar um assunto tão delicado como questionar a verdade dos pais. Como assim? O que? Não é possível, que os pais mintam, ainda fica complicado para mim afirmar coisa tão séria, mas vamos aos fatos, primeiro os pais mentem para nossa proteção, contam histórias escabrosas sobre punições severas as travessuras que desejamos fazer, tem o bicho papão, o boi da cara preta, a perna cabeluda, o bode, o babau, o papa figo, tudo para segurar nosso impulso desbravador, mas estas mentirinhas são até perdoáveis e mais que justificadas.
             Quando crescemos continuamos a confiar na opinião mais sensata do mundo, aceitando-as como verdades inquestionáveis, tanto que parecem até praga, se não ouvir e obedecer, vai se arrepender, continuamos crescendo e vemos nossos pais agora como amigos mais experientes e começamos a descobrir suas pequenas mentiras, aquelas que fazem parte da vida de todos, atender o telefone, mandam dizer que não estão, dizem que vão a um evento quando nunca pensaram em aparecer por lá,  dizem que gostam de fulano e de beltrano, mas nem suportam tais pessoas, tratam bem parentes que seriam melhor nem tê-los conhecidos, e quebram diversas promessas, sem nem sentir nada, nem um pesinho na consciência, e por aí vai, pois afinal, mesmo sendo pais são humanos, e a nossa espécie é cheia de falhas o porque então seriam eles excluídos de tê-las.